é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | História

Publicada em 13 de dezembro de 2019 às 11h52

Bahia fecha trajetória no Fazendão por futuro na Cidade Tricolor

Depois de 40 anos, clube se despede do Fazendão para iniciar trabalho na Cidade Tricolor

Victor de Freitas

2019-12-13-11-38_capafazendaotreino4
Fonte: Felipe Oliveira / EC Bahia

O Bahia vive seus últimos dias de trabalho no CT do Fazendão, casa tricolor nos últimos 40 anos. Com a Cidade Tricolor aguardando o clube no futuro, o eterno centro de treinamento deixará de ser utilizado, mas não sairá da memória de quem viveu, trabalhou e torceu pelo Esquadrão de Aço durante este período.

A história tricolor no Fazendão foi iniciada em 1979, com o então presidente Paulo Maracajá, que inaugurou o Centro de Treinamento Osório Villas Boas. Antes, o Tricolor trabalhava na Fazendinha, localizado na região do Costa Azul.

Inaugurado logo após sete conquistas consecutivas de Campeonato Baiano, o Fazendão foi o centro de treinamento da segunda conquista nacional do Esquadrão logo em sua primeira década.

A partir da metade final da década de 90, o Tricolor passou a viver seus piores anos de sua história, acumulando rebaixamentos e chegando até a Série C, em 2006, permanecendo fora da elite por sete anos. Durante este período, o Fazendão chegou a virar um “palco de guerra”, em 2008, quando integrantes de torcidas organizadas invadiram o gramado para agredir jogadores por má campanha na Série B.

Cidade Tricolor

Em 2012, ainda durante a gestão Marcelo Guimarães Filho, foi iniciado o adeus do Fazendão, com a construção da Cidade Tricolor. Tudo parecia caminhar normalmente. Mas, nos anos seguintes, um enorme imbróglio causado pelo então presidente, em contrato assinado com a OAS, fez com que o Bahia perdesse controle dos dois centros. Por pouco, as duas estruturas não foram vendidas pela construtora.

Após a intervenção, foi descoberto que o clube jamais havia sido dono real da Cidade Tricolor. O presidente Fernando Schmidt deu o pontapé para a aquisição total do imóvel, além de recuperar o Fazendão.

Com a gestão Marcelo Sant’Ana/Pedro Henriques, entre 2015 e 2017, o clube não poupou esforços para retomar as duas estruturas. Foram investidos R$ 6,4 milhões, mais um valor em transcons foram pagos aos credores (OAS e Planner), além do pagamento das dívidas acumuladas nos imóveis.

A assinatura da posse da Cidade Tricolor e da retomada do Fazendão foi assinada no dia 26 de setembro de 2017.

Com Fazendão e Cidade Tricolor como patrimônios, o Bahia irá concretizar a mudança de todas as suas atividades em campo e extracampo para o CT localizado em Dias d’Ávila, reformado pelo clube.

2019-12-11-14-40_capacidadetricolor2019
Fonte: Divulgação / EC Bahia

Então, o que será feito com o Fazendão?

O futuro do Fazendão será decidido em assembleia de sócios do clube. A ideia da diretoria, contudo, é de vender o imóvel e usar o dinheiro para investimentos na nova estrutura.

"O futuro do Fazendão será decidido pela assembleia geral. A nossa compreensão é de vender o patrimônio para o clube investir na expansão da Cidade Tricolor e outros benefícios. Como eu disse, essa é a ideia da diretoria, que deve ser corroborada pela assembleia. Estamos preparando um estudo de valor de mercado e vamos fazer um processo transparente", contou o vice-presidente Vitor Ferraz, ao Bahia Notícias.

O Bahia irá se reapresentar no dia 6 de janeiro, na Cidade Tricolor, para iniciar 2020 na nova casa.

Quer 30 dias de DAZN grátis e assistir o jogo de volta do Bahia na Sul-Americana? Clique aqui e cadastre-se hoje!
leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.