é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | História

Publicada em 17 de fevereiro de 2019 às 13h20

30 anos da Segunda Estrela ganha destaque no jornal Folha de S. Paulo

Segundo troféu nacional do Esquadrão é destaque nacionalmente

Victor de Freitas

2019-02-17-12-45_folha30anos
Fonte: Reprodução / Folha de S. Paulo

A segunda conquista nacional do Bahia está completando três décadas. Na terça-feira (19), a partida de volta da final do Brasileirão de 88 vai completar 30 anos, com homenagens feitas pelo clube, torcida, além da imprensa local e até nacional.

Neste domingo (17), um dos maiores jornais do país, a Folha de S. Paulo, publicou com destaque uma reportagem para relembrar e destacar o feito conquistado pelo Esquadrão de Aço, o último troféu de Campeonato Brasileiro levantado por um time nordestino, até então.

Leia a reportagem completa da Folha

O texto conta com curiosidades e detalhes contados pelos próprios ex-jogadores e heróis da conquista de 88.

Macumba deixada no vestiário do Beira-Rio

O lateral Paulo Robson e o goleiro Ronaldo falaram, com bom humor, sobre uma macumba que alguém do Internacional havia feito e deixado no vestiário destinado ao Bahia no Beira-Rio.

“Todo mundo ficou curioso. Disseram que alguém havia feito um negócio, mas ninguém dizia o que era. Demorou tanto que a torcida do Internacional começou a chegar”, falou Paulo Robson.

“Era uma macumba estranha, para dizer a verdade. Tinha calabresa, picanha... Era mais um churrasco”, brincou Ronaldo.

Para “rebater” a macumba, o roupeiro foi responsável por encharcar o vestiário “benzer” os atletas com perfume de alfazema.

Salários atrasados

Em um campeonato marcado por uma conquista inesperada, o Bahia surpreendeu a todo o país mesmo com jogadores sem receber salários devidamente.

“Nós fomos campeões com salários atrasados. Nossa renda era basicamente as premiações por vitórias e classificações. Ficava sempre um jogador no banco de reservas com uma calculadora para ver quanto a gente ia receber de bicho no vestiário”, relembrou o meia Zé Carlos.

110 mil tricolores na Fonte Nova

Um dos grandes ídolos da história tricolor, o meia Bobô relembrou o sentimento do time na partida contra o Fluminense, na qual 110 mil tricolores vibraram com o triunfo por 2 a 1, que levou o time para a grande decisão.

“O jogo contra o Fluminense foi uma coisa assustadora. Eu nunca havia visto um estádio daquele jeito. Era um mar de gente”.

“O momento que a gente acreditou no título foi naquela partida contra o Fluminense. A gente viu aquela massa na arquibancada e foi um momento mágico”, disse Paulo Robson.

Final

Técnico responsável pelo time na conquista da Segunda Estrela, Evaristo de Macedo afirmou não ter se importado com a “macumba” do Internacional (“sou mais o Nosso Senhor do Bonfim”, disse ele antes da partida).

“Nós jogamos com o nervosismo do Inter. Com o passar do tempo, eles foram ficando mais e mais apavorados. Tanto que nos 15 minutos finais, as melhores chances foram nossas”, disse o treinador.

Os 30 anos da maior conquista de um clube nordestino vão virar livro e documentário que serão lançados ainda em 2019.

leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.