é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | Copa do Brasil

Publicada em 08 de março de 2017 às 23h55

Eliminação precoce é o mais recente dos vexames em Copas

Bahia segue a sina de maus resultados em torneios eliminatórios

Vladimir Costa

Após a derrota vergonhosa contra o primeiro time minimamente qualificado que enfrentou em 2017, o treinador Guto Ferreira e seus comandados buscaram na velha cartilha de discursos prontos os clichês usados sempre que o Bahia mata seu torcedor de raiva dentro de campo.

Principal alvo de críticas da torcida desde o ano passado, Guto Ferreira é conhecido por seu esquema previsível, substituições idem e  desculpas mirabolantes para justificar suas decisões, como a opção por Lucas Fonseca em detrimento do garoto Éder para compor a zaga ao lado de Thiago.

Principais nomes do elenco desde o ano passado e donos dos salários mais altos do elenco, Hernane e Cajá foram tão utéis em campo quanto a bandeirinha de corner. O primeiro ao menos teve coragem de admitir que seu setor não cumpriu sua obrigação nesta noite de quarta. O segundo vem mantendo a regularidade do ano passado: desempenhos abaixo da média e sem ser decisivo desde a partida contra o Sampaio Corrêa pela Série B 2016.

Mas esse não é o primeiro vexame do Bahia na Copa do Brasil. Na verdade, o clube não consegue passar da terceira fase há 5 anos, quando eliminou a Portuguesa-SP. Na fase seguinte caiu diante do Grêmio-RS.

De lá para cá, Luverdense, Corinthians, Paysandu, América-MG e Paraná Clube “ajudaram” o Bahia a “focar no principal objetivo do ano”. Essa última frase é mais uma tirada da velha cartilha de desculpas. É usada à exaustão a cada vexame dentro de campo e nessa década  vexame é o que não tem faltado ao Bahia nas diversas Copas em que participa.

Sob a batuta dos Marcelos e mesmo de Schmidt, o torcedor viu o Bahia ser eliminado da primeira fase da Copa do Nordeste três vezes (2010, 2013 e 2014), perder um título praticamente em casa em 2015 e levar uma virada vergonhosa do Santa Cruz na última edição.

Na Sul-Americana, cuja participação foi comemorada efusivamente pelas diretorias do clube, a sina é pior. Duas derrotas para o São Paulo em 2012 pela primeira fase; queda nos pênaltis contra o Atlético Nacional-COL na segunda fase em 2013; outra derrota nos pênaltis em 2014 contra o Cesar Vallejo-PER. Em 2015 a coisa foi pior, o time de Sérgio Soares foi goleado pelo Sport na partida de volta da primeira fase.

Em comum em todos esses casos, queixas contra arbitragem, choro por gols perdidos e a ladainha digna de livro de auto-ajuda. As diretorias não aprendem, os jogadores não mudam a postura e, acima de tudo, o torcedor segue passando raiva.

leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.