é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Coluna

Djalma Gomes
Publicada em 19/06/2018 às 21h35

Trouxe quem deu pra trazer

Enderson Moreira é uma questão de realidade financeira. O torcedor gostaria de ter como treinador alguém que, de fato, tivesse história no futebol. E quem não gostaria?! Mas nem o caixa tricolor tem tanto lastro assim e nem os treinadores "cascudos" gostariam de vir para cá por menos do que ganham ou podem ganhar no Sul e Sudeste. Além disso, existe o preconceito em todo o contexto do futebol da parte de baixo do mapa brasileiro, de que trabalhar em times do Nordeste é retrocesso.
 
Ainda tem um aspecto que também deve ser considerado: técnico de "ponta" não quer trabalhar em clube com orçamento inferior a 100 milhões, e no Bahia o orçamento fica abaixo disso. Nesse nível, ninguém confiaria no próprio taco para tentar fazer um papel que colocasse o clube pelo menos entre os oito melhores times do brasileirão, que é onde pode até se buscar uma classificação para a Libertadores. 
 
Pois é, se o presidente do Bahia não podia trazer técnico de "ponta" então teria sido melhor ter colocado as cartas na mesa dividindo com a sua própria torcida as dificuldades impeditivas e o porquê de o Bahia não aventurar acima do planejado. A demora de anunciar um novo nome deixou o torcedor com a falsa expectativa de uma notícia bombástica, e uma vez que isso não se verificou a torcida tem todo o direito de ficar na defensiva e não no apoio, o que só aumenta a pressão por resultados que justifiquem a contratação de um técnico emergente.  
 
O discurso de trazer Enderson porque este "sempre foi o foco" não convence. Trouxe quem deu pra trazer. Duvido que alguns nomes reconhecidamente fortes no mercado não tenham sido tentados, até porque se a diretoria tivesse como filosofia trabalhar somente com técnicos do andar de baixo, então o torcedor teria de ficar preocupado porque a ambição por algo maior do que se tem estaria bem distante do seu sonho. 
 
Enderson fez um belo trabalho no Goiás e a partir dali abriu os olhos de clubes como Fluminense, Santos e Grêmio. Não esteve bem em nenhum deles. Foi para o América e capengou inicialmente. Porém lhe foi permitido um trabalho de longo prazo que acabou sendo razoável. Então, será que esse trabalho de médio a longo prazo teria a tolerância da Nação tricolor? Eis a questão.
 
Clube de massa não é fácil para nenhum treinador, muito menos para os emergentes. Em tese, demitir Guto e trazer Enderson não significou nada de diferente, claro, tendo como parâmetro o desempenho de Enderson por onde passou. Pode ser que no Bahia ele encontre o ambiente ideal e se consagre definitivamente. O que questiono não é o potencial do novo técnico tricolor, sim, a sua capacidade atual para lidar com uma torcida tão exigente. 
 
Vem aí o Ceará como teste inicial para  o novo comandante do Esquadrão pela Copa do Nordeste, Passando bem no teste colocará a primeira de mais algumas pás de cal sobre as dificuldades que ora assolam todo o contexto do  futebol no Bahia. A seguir terá o tempo adequado para corrigir defeitos e falhas  do time para em seguida tirá-lo da zona mal assombrada do futebol. Feito isto o caminho de Enderson no Bahia estará pavimentado. 
Outras colunas
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.