é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Coluna

Djalma Gomes
Publicada em 21/07/2017 às 17h07

Jorginho, começou a dar certo?

Ora, ora! Mas que Bahêa surpreendente! Não quero mais discutir competência de técnico de futebol. Eu, e acho que mais alguns milhões de tricolores, havíamos escalado Régis e Allione, aí vai o "burro" do treinador e contraria a sua patroa, a torcida. E ganha do Atlético Mineiro com todos os méritos em pleno Horto, deixando o Galo mineiro morto...
 
Ganhar da Ponte Preta no Lucarelli já foi ótimo... Ah, mas foi a Ponte, que nem é tão forte assim, diria os incautos perfeccionistas do futebol. Tá bom, diria Jorginho: depenar o Galo de Minas dando aula tática até nas substituições, derrubando literalmente sistema e treinador adversários, tá de bom tamanho? Tá né... falar o quê?

Pra mim chega! Não discuto mais a capacidade de Jorginho. Começou a dar certo. Olha... quer saber mesmo? Pacaembu é campo neutro à essa altura do meu entusiasmo, e não ficarei surpreso de ver o tradicional estádio Paulo Machado de Carvalho cheio de bandeiras tricolores comemorando mais um Baêea! mais um Baêea! Porque em São Paulo o que não falta é baiano tricolor.

-- Só uma palhinha, viu Jorginho?! O segundo gol contra o Galo mineiro foi obra prima de três renegados: Mendoza, pela torcida, Juninho e Régis por você. Pronto, falei. Não falo mais.

Dá pra ganhar do Santos... Dá pra empatar... Temeria um pouco se o jogo fosse na "Vila famosa", mas lá em cima após a Serra do Mar a pegada é diferente, porque o Pacaembu neste domingo será a casa de todos os baianos que moram em São Paulo. 

Mais uma palhinha, Jorginho:  deixar Régis no banco pra ver Vinícius jogar é complicado demais para eu entender. Vinícius é bom jogador, mas Régis é cerebral. É a bola mais expressiva do Bahia do meio de campo em diante. Arranja um lugar também para Allione nesse time porque cabe, viu!

-- João Paulo é ótimo, mas é aquele jogador que entra melhor da metade do segundo tempo em diante.

Meu recado agora é para parte da imprensa e da torcida, respectivamente: O Bahia não necessita de mais reforço numérico. Só se for um craque, mas o orçamento não dá para trazê-lo, e jogador para compor elenco não vejo necessidade. Imagine que Jorginho se dá ao luxo de deixar Régis e Allione no banco e ainda assim o time esteve soberbo!

No momento em que o pessoal que está no DM sair de lá definitivamente para integrar o elenco, o Bahia fecha um grupo de qualidade indiscutível para o tamanho do seu orçamento e fará, sem dúvidas, uma excelente segunda fase na competição. Eventuais necessidades, pega da Base -- aliás, Jorginho tem esse lado que me agrada muito, observar e aproveitar a prata da casa. 

Pode não ser agradável aturar certos conceitos de Jorginho, que a princípio podem parecer equivocados, mas se deixá-lo trabalhar, certamente ele montará um Bahia muito  competitivo, inclusive para o ano que vem. Ainda bem que o presidente do Bahia sabe o que quer e o que faz, e vai deixá-lo trabalhar porque não se deixa levar por pressão externa.

E não deixaram o Galo trabalhar... Partiu! 

Outras colunas
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.