é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Coluna

Djalma Gomes
Publicada em 26/09/2017 às 12h49

Faz o prático e não complica!

 

O melhor time do Bahia neste ano jogava no feijão com arroz de Armeiro e no habilidoso meio pra frente com Zé Rafael, Allione, Edigar e Régis, juntos. Exercitar a capacidade técnica desse quarteto deveria ser o fito.
 
Em minha opinião, depois que Pablo Armero saiu do time a ala esquerda ficou órfã. Capixaba não tem auto-confiança e joga sempre para trás em claro sintoma de quem não quer assumir riscos e Matheus Reis não aprovou.
 
Por coerência Preto deveria voltar com a formação da Era Guto Ferreira porque não dá mais pra ver Vinicius e Mendoza como titulares num time que precisa de inteligência e uma ala esquerda ineficiente.
 
Parte da torcida não aprovou a efetivação de Preto Casagrande, que foi uma necessidade tão clara quanto a realidade financeira do Bahia:

Não tendo condições de contratar técnico de ponta, melhor mesmo não trazer técnico do segundo e terceiro escalões, respectivamente. Foi mais racional efetivar o interino porque conhece o clube, o ambiente, e custa menos, muito menos!  

Diz a praticidade das coisas que quanto menos complicá-las, tanto melhor: 

Decorrido mais da metade do campeonato, se trouxessem um treinador "meia boca", este iria fazer o quê exceto colocar mais peso num barco onde já está entrando água?

Sejamos mais racionais e menos radicais. Preto tem aproximadamente dois meses à frente do comando técnico no Bahia e ainda não conseguiu dar um padrão definitivo de jogo ao time porque isso não acontece via mágica.

O fato de eu achar que Preto deveria - como aconteceu - ser o técnico do Bahia não me impede de ser crítico e isento em relação ao que vejo de incoerência, e Preto está e continuará incoerente se não mudar o time no próximo jogo. 

Uma coisa é opinar aqui favorável à efetivação de Casagrande pelos motivos que já citei, outra é não concordar com seus equívocos e teimosia. Faz o prático e não complica. Simples assim.

O torcedor tem que apoiar porque não há outra solução. A própria imprensa é impaciente e diz a todo instante que Preto ainda não tem condições. Futebol não funciona a curto prazo quando se busca implantar filosofias de jogo e o modelo tático com as variações ideais.  

Marcelo Oliveira e Luxemburgo são tidos como técnicos do primeiro escalão: 

O Coritiba ainda não se encaixou e Marcelo já não é unanimidade. Luxemburgo tem sérias dificuldades porque pegou o barco fazendo água dentro de uma tormenta e o que ele tenta primeiramente é encontrar uma saída, depois o rumo certo. 

Confiante no rumo que Luxemburgo dará ao Sport em campo é que a diretoria renovou seu contrato de até 2019. Sabe o que é isto? Planejamento.

Implantar princípios pessoais e filosofias táticas num grupo heterogêneo por natureza não acontece da noite pro dia. Disciplinar taticamente um time de futebol começa pelo poder da liderança de um comando firme.

Eu jamais estive confiante na atual diretoria tricolor no tocante ao futebol. Agora, o que eu não sei fazer é me tornar carrasco do meu próprio coração:

Não gostar da forma como é gerido o futebol no Bahia não me autoriza a torcer contra. Se critico é de forma construtiva, mas se isso fere egos, paciência, porque a fonte que me inspira é a minha própria consciência

Outras colunas
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.