é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Coluna

Djalma Gomes
Publicada em 08/05/2017 às 09h07

E a vida continua...

NÃO GANHAR o campeonato baiano é o fim do mundo? Qual nada!... o Bahia tem o privilégio de uma outra decisão de maior relevância. É a vida que segue seu curso porque o Bahia não pode parar. Claro, preocupa sim, o fato de que o Tricolor não foi capaz de ganhar o fraquíssimo campeonato baiano.
 
De boa vontade vou apenas relembrar que o Bahia perdeu o campeonato no regulamento porque mostrou no curso da competição que este não era prioridade, ao alternar times durante a competição. Mas não foi e nem é este o mal.  
 
O mal é diagnosticado em todos os finais de temporadas e continuam os dirigentes fazendo a mesma coisa maçante de sempre. Campeonato baiano não é parâmetro para a definição de um time bem preparado para a competição maior do nosso futebol, mas planejar o ano com eficácia é o que dá esse parâmetro.
 
Daí que acho de maior importância a Copa do Nordeste, principalmente em sua fase decisiva devido ao fato de a disputa ser entre os dois melhores clubes de futebol do Nordeste no atual cenário, porque a Liga Nordestina nas finais dá uma ideia de como estamos em relação aos clubes do Sul e Sudeste.
 
Sem essa de que não tem orçamento para fazer um time capaz de chegar no "brasileirão", porque não é chegar exatamente o que a torcida exige. Ela quer que o seu clube esteja entre os dez melhores colocados, porque a partir disso fica mais fácil conseguir uma vaga para a Libertadores, e, convenhamos, estar nesse primeiro pelotão significa real condição de conquistas.
 
O que não adianta mesmo é em cima da perna contratar a inutilidade de outros clubes como nome de peso e depois dizer que é o Barcelona do Nordeste. Nesse caso, nome não joga, o que de fato joga é a determinação da entrega à camisa, da condição física e do amor pelo que faz -- assim como Zé Roberto no Palmeiras que aos 43 anos é titular. 
 
Allione e Régis, só para citar estes, era uma parte inútil no Palmeiras, porque jamais tiveram chances de mostrar o que efetivamente têm para dar. Sabíamos, porém, de antemão, que eram diferenciados na Argentina e no Sport, respectivamente. É assim que a diretoria do Bahia tem de agir, buscando a qualidade em detalhes. 
 
O Bahia não contratou os dois jogadores citados acima pelo simples motivo de pertencerem ao Palmeiras -- o mais qualificado elenco do Brasil --, sim pelo que fizeram em seus clubes de origem e ainda hoje pretenderem saltos maiores no futebol. São jogadores que aspiram de fato um lugar de destaque no cenário do campeonato nacional e que visam a extensão de suas carreiras.
 
CONCEITO
 
Gosto tanto do campeonato estadual que se dependesse de mim ele nem existiria mais. O modelo faliu e os dirigentes da FBF não conseguem reinventá-lo. Polos como Conquista, Feira de Santana, Juazeiro, e, rivalidades como Itabuna e Ilhéus não conseguem sequer apoio para viabilizar seus respectivos representantes às conquistas capazes de colocá-los na série B nacional.
 
DETALHE IMPORTANTE
 
A Chapecoense transformou uma tragédia em aprendizado de como se construir um grande clube. O Paraná Clube eliminou Bahia e Vitória de uma competição nacional e nem a elite do futebol ele pertence... é com esses detalhes que os dirigentes do futebol da Bahia precisam se preocupar.
Outras colunas
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.